> Sindicalize-se já! Clique aqui.
 
NOTÍCIAS >> VER MAIS MATÉRIAS DESTA CATEGORIA
Risco e segurança no jornalismo na América Latina: novo curso gratuito em espanhol. Inscrições abertas!
Publicado em 12/03/2018 14:28:32
Por Silvia Higuera/CA

Há vários anos, a América Latina tem sido uma das regiões mais perigosas para exercer o jornalismo. Somente em 2017, de acordo com o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ), pelo menos oito jornalistas foram assassinados na região por realizar seu trabalho, embora estejam investigando pelo menos mais seis casos.

O assassinato, no entanto, não é o único perigo que a liberdade de imprensa enfrenta: ameaças, perseguições, espionagem às suas comunicações digitais e até mesmo perseguições judiciais são parte do cotidiano dos jornalistas.

É neste cenário e com o objetivo de oferecer ferramentas para melhorar esta situação, que o Centro Knight para o Jornalismo nas Américas e a International Women’s Media Foundation (IWMF) oferecem o curso gratuito em espanhol "Risco e segurança no jornalismo na América Latina: passos práticos para a autoproteção", ministrado pela jornalista e defensora dos direitos humanos Claudia Julieta Duque de 26 de março a 22 de abril.

Clique aqui para saber como se inscrever.

"Avaliar sua própria situação de risco permitirá que os jornalistas obtenham o conhecimento necessário para responder a ameaças concretas e elaborar respostas e planos de segurança", disse Duque. "Em uma região como a América Latina, esse tipo de resposta está se tornando cada vez mais urgente, já que é visível que os Estados deixam a desejar quando se trata de proporcionar garantias reais para o exercício do jornalismo".

A partir de 26 de março e durante cinco semanas, os participantes podem aprender os conceitos de risco e ameaça e avaliar seus próprios riscos. Eles também conhecerão os riscos que podem enfrentar no mundo digital e estratégias para proteger não só eles mesmos, mas suas fontes. O curso também oferecerá ferramentas para que os jornalistas desenvolvam um plano de autoproteção e oferecerá conselhos para a gestão do estresse e do trauma através da análise de experiências de resiliência em jornalistas vítimas desses eventos.

Como parte desta autoproteção, o curso também oferecerá uma compreensão do marco jurídico interamericano para a proteção de jornalistas, como a Convenção Americana sobre Direitos Humanos, bem como os mecanismos de emergência disponíveis.

O curso consistirá em videoaulas, leituras, fóruns de discussão e questionários semanais.

Inscreva-se agora neste MOOC gratuito em espanhol, que será realizado entre 26 de março e 22 de abril.

 

"Estamos contentes em unir forças com o Centro Knight e com Claudia Duque para oferecer este curso. Esperamos que ajude os jornalistas da região a reconhecer melhor, avaliar e reduzir o nível de risco em seu trabalho, aumentar sua segurança física, digital e mental e compartilhar as melhores práticas com colegas da região", disse Elisa Lees Muñoz, diretora executiva da IWMF. "A IWMF promove este curso no âmbito do seu programa Adelante, que oferece bolsas de viagem à América Latina para mulheres jornalistas de todo o mundo".

Claudia Julieta Duque é uma jornalista e defensora dos direitos humanos colombiana, correspondente da Rádio Nizkor na Colômbia. Suas reportagens investigativas foram publicadas em meios como Washington Post, revista Semana, os jornais El Tiempo e El Espectador e o portal digital La Silla Vacía.

Ela já ministrou cursos de proteção a defensores de direitos humanos e jornalistas na América Latina para Front Line Defenders e Free Press Unlimited e para a Federação Colombiana de Jornalistas (Fecolper, na sigla em espanhol). Recebeu os prêmios Liberdade de Imprensa da Repórteres Sem Fronteiras - Suécia, Coragem Jornalística da IWMF e o Prêmio Ilaria Alpi ap Jornalismo Investigativo, na Itália.

Em 2011, a revista Newsweek a classificou como uma das dez mulheres jornalistas que mais arriscam suas vidas para informar, e The Daily Beast a nomeou como uma das 150 mulheres mais destacadas do mundo. Em 2014, a Repórteres Sem Fronteiras a considerou uma dos 100 heróis mundiais da informação e ela recebeu o reconhecimento da FLIP, ACNUDH e do Centro de Memória Histórica por seu trabalho investigativo no caso do assassinato do jornalista colombiano Jaime Garzón. Em 2016, ela foi uma das três finalistas do Prêmio ao Jornalista mais Resiliente do mundo, concedido pela Free Press Unlimited. Em 2017, recebeu um reconhecimento por sua coragem na luta contra a impunidade concedido pela Federação Latino-Americana de Jornalistas (FEPALC) e Fecolper.

"É uma honra e um privilégio para nós no Centro Knight ter a valente jornalista e defensora dos direitos humanos Claudia Duque como instrutora deste curso. Há muito tempo tínhamos a ideia de um curso como esse, mas só agora podemos oferecê-lo graças ao apoio da International Women’s Media Foundation", afirmou o professor Rosental Alves, diretor e fundador do Centro Knight.

"Esperamos contar com a participação de jornalistas de muitos países da América Latina. Não só daqueles de lugares onde, infelizmente, a violência e os ataques contra jornalistas são mais comuns, mas de todos da região. Atualmente, ninguém está imune a esses ataques que ocorrem no mundo real e no mundo cibernético", acrescentou Alves.

O curso está projetado para jornalistas ativos em mídia impressa, eletrônica e digital; editores e coordenadores ou chefes de informação; comunicadores que trabalhem em circunstâncias particularmente difíceis e ambientes hostis, nos quais seja comum receber ou saber sobre ameaças diretas contra a própria vida ou a de outros jornalistas. De todo modo, o curso está aberto a qualquer pessoa interessada em conhecer ferramentas e práticas que lhes permitam melhorar sua segurança.

Assim como todos os MOOC do Centro Knight, este curso será assíncrono, o que significa que os estudantes podem fazer as lições em seu próprio tempo, quando lhes for mais conveniente. No entanto, haverá prazos sugeridos para ajudá-lo a permanecer no ritmo do curso.

Os estudantes que completem com sucesso o curso, incluindo os questionários semanais e a participação semanal em fóruns de discussão, podem obter um certificado de participação após a verificação pelo pessoal do Centro Knight. O certificado, que está disponível em formato PDF por US$ 30, atesta a participação no curso online, mas não possui crédito acadêmico formal vinculado a ele.


Fonte: SINJOR

NOTÍCIAS | | MATÉRIA PUBLICADA EM 11/07/2018 13:46:51>>
Congresso de Jornalismo de Educação abre inscrições
NOTÍCIAS | | MATÉRIA PUBLICADA EM 11/07/2018 13:45:11>>
Papa escolhe jornalista para chefiar comunicação da Santa Sé
NOTÍCIAS | | MATÉRIA PUBLICADA EM 11/07/2018 13:43:45>>
Mianmar: Jornalistas podem pegar até 14 anos de prisão
NOTÍCIAS | | MATÉRIA PUBLICADA EM 28/06/2018 03:44:51>>
Jornalistas cubanos relatam aumento em detenções e outros abusos de poder por autoridades
NOTÍCIAS | | MATÉRIA PUBLICADA EM 28/06/2018 03:40:09>>
Prêmio Abear de Jornalismo recebe trabalhos até 30/09
NOTÍCIAS | | MATÉRIA PUBLICADA EM 28/06/2018 03:37:26>>
Denunciadas 113 agressões a jornalistas e veículos na Venezuela em 2018
NOTÍCIAS | | MATÉRIA PUBLICADA EM 17/06/2018 23:02:14>>
Comunicação da UEL fica a cargo de profissional de educação física
NOTÍCIAS | | MATÉRIA PUBLICADA EM 17/06/2018 23:00:10>>
Congresso peruano pode aprovar lei que proíbe publicidade estatal em meios privados
NOTÍCIAS | | MATÉRIA PUBLICADA EM 17/06/2018 22:47:15>>
Lançado Prêmio Nacional de Educação Fiscal 2018
NOTÍCIAS | | MATÉRIA PUBLICADA EM 17/06/2018 22:45:45>>
Bolsa leva jornalistas para redações nos Estados Unidos
NOTÍCIAS | | MATÉRIA PUBLICADA EM 17/06/2018 22:43:28>>
Abraji anuncia Congresso de Jornalismo Investigativo 2018
ENQUETE
NEWSLETTER
 
SINJOR Desenvolvido por Aldrin Willy ---ADM